Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tu tens a mania

Tu tens a mania

A magia das pequenas coisas

Temos sempre a tendência de ver o lado negativo. Pensamos sempre que estaríamos melhor se determinada coisa acontecesse, se ganhássemos determinado valor, se conhecêssemos determinada pessoa ou se vivêssemos em determinado sítio. Bem sei que também sou culpada. Vezes e vezes sem conta penso que teria uma vida melhor se tivesse feito um percurso diferente ou se tivesse reagido de outra forma. Muitas vezes, tenho até receio de agir por medo de me arrepender e de me encaminhar para algo pior. Mas não é de medo ou receio que quero falar. Quero falar naquelas pequenas coisas que nos acontecem e que têm a capacidade de tornar o nosso dia melhor, no entanto temos a tendência de as ignorar.

 

No meu caso, e falo do que me acabou de acontecer, irei focar-me na carga de boas energias que me invadiram. Quando cheguei ao meu posto de trabalho, encontrei uma borboleta aflita, constantemente a bater no vidro, a tentar seguir a luz e a não conseguir. Nem pensei muito na situação. Despejei o conteúdo que tinha num copo metálico, peguei numa folha e tentei apanha-la. Até foi fácil de a apanhar e consegui libertá-la no jardim. Não estava à espera da quantidade de felicidade que me invadiu quando a vi a voar, como que a festejar a sua nova liberdade. Foi como que se algo desaparecesse de cima de mim e comecei a sentir-me mais leve. É esta a energia que quero conseguir manter ao longo do dia. E é esta a mentalidade que preciso de treinar: ver a magia que as pequenas coisas têm.

 

No mundo actual, torna-se difícil. Estamos sempre a ser bombardeados por desgraças que acontecem aos outros e fotos de pessoas que têm uma vida bem melhor que a nossa. Mas é preciso que nos foquemos na nossa vida e nas maravilhas que ela nos dá. Não digo que não podemos sentir-nos inspirados pelos outros. Apenas digo que não deveríamos sentir mal porque alguém tem (aparentemente) uma vida melhor que a nossa. Quase ninguém publicita o que de mal vai na vida deles, portanto, aquela vida idílica que nos exibem bem pode ser falsa.

 

A felicidade vem do nosso interior. E não creio que seja fácil de encontrar. Acredito que seja uma luta diária. Acredito que haja dias mais fáceis e outros bem mais difíceis. Acredito que o stress seja um enorme monstro que temos de vencer durante este percurso (e eu bem me sinto stressada nestes últimos dias antes de férias). Mas decidi que não vou pensar muito nisso. Não vou pensar no que ainda é preciso fazer antes das férias. Não vou pensar no quão não gosto do trabalho que tenho, nem nas péssimas propostas de trabalho que existem por aqui. Não vou pensar que poderia ser mais feliz se vivesse naquele sítio ou se visitasse aquele outro sítio. Não vou pensar que a minha vida seria melhor se conhecesse aquela pessoa. E, acima de tudo, não vou pensar em todos os ses que me assolam quando penso no trajecto que tive. Vou esforçar-me para focar no lado bom da vida. Vou focar-me na sensação que a borboleta sente quando voa por aí fora

 

original.jpgFonte: https://weheartit.com/entry/337970353

 

Am I back?

Terça-feira. A caminho do fim do mês. O dia acordou fresco, mas já me mentalizo para o calor que irei sentir no início da tarde. A semana passada foi um pequeno inferno devido ao calor que cheguei ao ponto de nem conseguir pensar. Pela primeira vez desde algumas semanas consegui inscrever-me na aula de Pilates através do procedimento normal, em vez de ter de ligar para o ginásio. Tenho conseguido ler a um bom ritmo, ao contrário do que se passou nos últimos meses. E a vontade de escrever voltou a aparecer, ao final de largos meses (e não sei se isto durará muito tempo)

Esta situação do covid-19 afectou-me um bom bocado, apesar de aparentar que não. O uso de máscara não me incomoda a não ser quando está mais calor. O uso de gel desinfectante fez-me aperceber da importância de desinfectar as mãos quando vou às compras e ao longo do dia de trabalho. E o distanciamento social tem sido um sonho, apesar de estar carente de abraços. No entanto, agora que já andamos nisto há 4 meses, começo a detectar um cansaço e frustração que não me lembro de alguma vez sentir. Uma vez que as férias se aproximam, começo a questionar-me da segurança que poderei ter ao longo desses dias e os riscos que correrei. Ver os casos nos outros países a aumentar ainda em Julho também me assusta, pois sempre pensei que a segunda vaga viria na altura do Outono e parece-me que ainda chegará no verão. Assusta-me a forma leviana que as pessoas lidam com isto e questiono-me se também não estarei a agir de forma irresponsável, tendo já férias marcadas para o sul do país. Toda esta situação é assustadora e digna de um filme de suspense/terror. Sinto um cansaço mental que não sei como hei-de livrar-me dele e acho que as férias não irão ser suficientes

Tenho medo do que aí virá, mas não consigo ficar chateada com aqueles que começam a quebrar as regras de higiene. Estamos todos cansados

Lado positivo da baixa médica

Há muito que suspeitava que o stress que eu ia acumulando sobre os meus ombros iria dar cabo de mim. Felizmente, e ao contrário do que eu andava a suspeitar, a coisa veio na forma de uma valente gripe que me tem deixado KO desde a semana passada. Já melhorei um pouco, mas ainda não me sinto pronta para enfrentar o quotidiano do meu trabalho. Por isso, tenho permanecido em casa, com dois pares de meias, pantufas, calças de fato de treino e não sei quantas camisolas (tenho muito frio, tá bom?)

 

No entanto, depois de uma semana enfiada na cama com uma botijinha de água quente e muitos lenços de papel, estes últimos três dias têm sido dedicados a arrumações. Nada de muito trabalhoso e cansativo. Limpei o meu telemóvel e fiz uma reposição das definições de fábrica (tinha a certeza que isso iria resolver a lentidão e acertei :D), eliminei documentos desnecessários no meu computador, organizei as facturas e organizei os meus emails. Os meus níveis de produtividade estão, sem dúvida, acima da média e sinto-me satisfeita com isso. Ainda queria organizar as fotos no meu computador, mas ainda não arranjei coragem suficiente para isso (só são 45 GB para arrumar). Entretanto, decidi pegar no material que me foi oferecido no decorrer de uma formação na empresa e que ainda não tinha lido (meio ano à espera não é muito tempo, pois não?), de forma a aprender qualquer coisinha enquanto estou embrulhada na manta

 

Não costumo apreciar ficar doente, mas tenho que admitir que, desta vez, estar doente está a saber-me bem

 

2019-12-16 04.04.21 1.jpg

 

 

 

Já posso cantar músicas de Natal?

Normalmente, só me permito começar a cantarolar e a decorar para o Natal exactamente um mês antes. Um mês em ambiente festivo é a dose certa. No entanto, neste ano, creio que o começo da dose diária de natalismo (isto existe?) terá de começar mais cedo. Com todos os problemas que me aparecem devido ao trabalho, preciso de reforçar o espírito positivo e de bondade e acredito piamente que abrir os braços e peito aos sinos e aos tons de vermelho com luzes as piscar é um excelente método de ignorar o que se passa

 

Até porque eu já vejo as lojas decoradas e já andam a distribuir bolo-rei na minha empresa. Portanto, creio que está na altura de cantarolar "All I Want for Christmas" enquanto trabalho 

 

 

Balanço de dois meses de problemas

Anteriormente, já tinha dito por aqui que andava com alguns problemas de saúde e com algumas reacções à medicação receitada para esses problemas (aqui e aqui). Recentemente, consegui falar com o médico e consegui convence-lo a suspender-me a medicação. O mais engraçado é que ainda tenho que a tomar, pois não a posso deixar de tomar de um dia para o outro. Tem sido uma experiência "fantástica", quer física, quer mentalmente. Nos dias em que tomo a medicação, honestamente, só me apetece permanecer na cama e chorar o dia inteiro, o que me faz questionar a origem da minha capacidade de aguentar um dia de trabalho neste estado

 

Infelizmente, no que toca ao trabalho, as coisas não têm melhorado. Achava que a medicação andava a interferir com o meu desempenho, mas começo a ponderar que existe algo mais a interferir. Tenho tido imensas dificuldades em gerir as emoções no local de trabalho, bem como gerir o enorme fluxo de trabalho que as pessoas depositam em cima de mim. Já perdi a esperança de negociar com a entidade patronal, pois já tentei várias vezes e as coisas só pioraram. Se até há pouco tempo dizia que só sairia da empresa quando encontrasse outro emprego, agora pondero entregar a carta de despedimento sem qualquer alternativa de trabalho. Agora é esperar pelo o que apareça primeiro: o desespero ou a coragem

 

A procura por novo emprego também não está fácil. Não sei se me tornei incrivelmente pessimista, mas os pedidos de trabalho que me têm aparecido à frente parecem todos iguais, onde exigem muito da pessoa, mas querem pagar pouco. Ainda não encontrei algo que me fizesse dizer "É mesmo isto!" e não acredito que o vá encontrar tão cedo. Ando um pouco negativa e, por isso, tenho atraído negatividade. Daí achar que, se estivesse desempregada, a minha mentalidade seria outra. A cada dia que passa, mais me convenço que esse é o passo certo: entregar a carta, dar os 30 dias à casa, tirar uma ou duas semanas para descansar, alinhar os pensamentos e reunir energias e atacar o mercado de trabalho com a cabeça limpa e determinada. Mas o meu lado ansioso ainda tem conseguido falar mais alto

 

Porém, não tenho desanimado. Tenho conseguido enviar currículos todas as semanas, tenho feito um esforço diário de dar o meu melhor no trabalho, mesmo que isso signifique fazer o mínimo possível (há dias que tem de ser). Tenho-me obrigado a comer o melhor que consigo (voltei às papas de aveia ao pequeno-almoço) e a enfiar-me na cama cedo. Tenho escrito de manhã e de noite e a tentar manter o meu espaço arrumado. A única coisa que ainda não consegui retomar foi a leitura. Continua lenta, mas não me vou forçar a ler. Sei que se o fizesse, acabaria por ler ainda menos. Curiosamente, retomei um hábito antigo: sudoku. Tem sido o meu passatempo na hora do almoço

 

As coisas não vão bem, mas também não vão mal. Vão andando ao ritmo que têm de andar. Acredito que quando isto passar, terei aprendido alguma lição valiosa. Até lá, é viver um dia de cada vez e manter o pensamento positivo, enquanto aprendo mais sobre mim com os meus pensamentos negativos

 

130218_optimism-c.jpg

 

Último comentário sobre as Legislativas

Vou ser sincera: estou desiludida com os portugueses

 

Este valor de abstenção é revoltante. Como é possível deixarem parte da população decidirem por eles? Eu, enquanto adolescente, não gostava nada de ter os adultos a decidirem o que seria “melhor” para os meus estudos, quanto mais agora deixar-me ficar sentada no sofá enquanto metade da população vota por mim? E, depois, aparece aberrações como o sr André Ventura, que consegue um lugar no Parlamento. Como é possível Portugal ter a extrema-direita no Parlamento? Não me venham falar em liberdade, pois uma ideologia que se preza em negar a liberdade das pessoas que eles vêem como diferentes não merecem ser ouvidos, quanto mais terem lugar no Parlamento. No entanto, quase 66500 pessoas votaram no Chega. Ou seja, neste país, existem 66500 pessoas que precisam de serem sentadas e questionadas para entender o que raio se passou na cabeça delas para votarem naquele partido

 

Vi uma perseguição ao Pan que até me fez questionar o que raio andavam a apregoar para incomodar tanta gente. Espero bem que todos os incomodados com o Pan comecem agora a incomodar-se com o Chega, pois este sim irá causar estragos à liberdade de todos se não colocarmos entraves ao seu avanço. O Pan começou com um deputado e já vai em 4. O Chega conseguiu um. Espero que daqui a 4 anos tenha nenhum

Votos

Existem muitos fenómenos que nunca consegui perceber. A abstenção é um deles. O acto de não ir votar, para mim, não tem qualquer sentido lógico, nem desculpa possível (ok, até existem desculpas, nomeadamente no que diz respeito a impedimentos físicos, mas é a grande minoria dos casos de abstenção)

 

A possibilidade de votar é um dos factores que torna o nosso sistema político uma democracia. É o nosso direito, conseguido com muita luta e sacrifício (principalmente para as mulheres), e é o nosso dever para connosco, o nosso passado e o nosso futuro. Custa-me imenso ver pessoas a desperdiçar esta arma que possuímos de forma tão leviana. É um privilégio podermos votar. E devíamos fazê-lo com orgulho, mesmo quando achamos que os políticos são todos uns canalhas e que nenhum se aproveita. O voto é a nossa arma contra eles e, quando uma pessoa não vai votar, está a dar mais poder a esses mesmos políticos que tanto crítica

 

Actualmente, quem coloca os políticos no poder não são aqueles que vão votar: são os que se abstêm de votar. E, no entanto, são esses mesmos que tanto criticam os políticos que eles acabam por colocar no poder. Não acham que está na altura de fazerem algo? Não fiques calado e vai votar!

 

tumblr_or8eorp1x11wn8ceuo1_500.png

 

Olá Outubro

Outubro sempre foi o meu mês

 

Não sei se é uma coisa astrológica por ser o mês do meu aniversário. Ou se é uma coisa psicológica por ser o mês do meu aniversário. De qualquer forma, é o mês com o qual eu mais me identifico e é o mês que me traz mais introspecção e calma

 

É, também, o mês em que a chuva, inevitavelmente, regressa. Uns anos mais tímida, outros anos mais agreste. É o mês das folhas avermelhadas e das noites frias. É o mês dos casacos de malhas e os lenços ao pescoço. E é o mês em que as minhas gatas voltam a dormir na minha cama

 

Para mim, também irá ser um mês de regressos. Estes últimos meses foram um pouco caóticos. Tinha planeado, como já é habitual, fazer um reset à rotina no mês de Setembro, mas a minha saúde decidiu pregar-me uma partida. Felizmente, e após quase três semanas de medicação, parece-me que o meu organismo começou a habituar-se ligeiramente à medicação (pelo menos, não tenho mudanças de humor tão bruscas como tinha no início da semana passada e já não me sinto tããããão exausta). Também, e porque finalmente dei ouvidos ao meu professor de yoga, comecei a praticar meditação focada meramente na respiração (eu fazia meditação guiada). No entanto, neste mês, quero começar praticar mais meditação. 5 minutos de manhã e 5 minutos à noite. Praticava sempre de manhã, mas quero incluir a noite no ritual, de modo a tentar criar condições para um sono mais relaxante e reparador

 

Planeio, também, recomeçar a escrever. Nestes meses, tenho deixado a escrita num canto, bem oculto por papelada não importante. Escrevo de manhã, apenas, no meu diário, como forma de desabafo e pequena reorganização dos meus pensamentos, mas, no entanto, isso já não me satisfaz. Tenho demasiada coisa na minha cabeça. Frustrações, opiniões, pensamentos, dúvidas. Coisas que preciso de escrever de forma a tornar claras e para que eu própria as consiga entender e parar de pensar nelas. Não significa que sejam coisas que eu irei partilhar. O meu espírito crítico, infelizmente, ainda é muito forte dentro de mim e, por isso, ainda falará mais alto ao fim de cada texto que escreverei. Mas, espero, que no final deste mês tenha conseguido trazer um pouco mais de vida a este blog. E que consiga ter uma melhor visão de mim mesma e do que quero na minha vida (pelo menos, na imediata)

 

E, por último, espero conseguir ler mais. Li praticamente nada no mês de Setembro. Estive de volta de um livro o mês inteiro (e ainda não o terminei). Estive duas semanas sem conseguir pegar num livro (nem revistas, nem jornal, nem artigos na internet, nada). Mas, com a estabilização (suponho eu) da medicação, a vontade de pegar num livro tem regressado (neste fim-de-semana consegui ler tanto como li no restante mês de Setembro) e, por isso, parece-me que irei conseguir ler mais do que no mês passado. E, por ser Outubro, mês das bruxas e dos gatos pretos, vou regressar ao mundo fantástico e pegar na trilogia da Bússula Dourada (versão inglesa, pois os livros que li na minha adolescência tinham sido emprestados). Admito que me sinto ansiosa e nervosa. Ansiosa por rever uma história que me acompanhou há muitos anos atrás, e nervosa por voltar a pegar numa história que não leio há muitos anos atrás e que eu adorava. Espero que a história se mantenha como eu me lembro

 

Acima de tudo, e isto é algo que comecei a trabalhar durante o mês de Setembro, quero continuar a aprender a levar as coisas com calma, a irritar-me menos e a dar importância ao que realmente importa

 

Meu querido mês de Outubro, já tinha saudades tuas 

 

82655c3fdc188e2121846041fcb2c1cd.jpg

 

Quero a minha cama...

Uma das coisas que não gosto nada da medicação que ando a tomar é o cansaço que me anda a induzir. Acredito que seja para me forçar a dormir as horas suficientes para que o meu cérebro e corpo possam descansar profundamente. No entanto, têm dificultado a minha vida. Passo o dia cansada e sem paciência. Custa-me fazer as tarefas mais básicas de sobrevivência, como cozinhar e ler. Estou há quase três semanas com o mesmo livro e só agora é que consegui ultrapassar a página nº100. Quando chego a casa às 18 horas, só quero enfiar-me na cama e dormir até o despertador tocar ou até ser fim-de-semana. Ou, então, acordar no dia seguinte e ir pedir baixa médica só para poder dormir o dia todo, a semana toda

 

Tenho recomendação médica para continuar a tomar esta medicação até à consulta médica, mas essa consulta só será daqui a pouco menos do que um mês. E, apesar de querer ser positiva e querer acreditar que até lá os efeitos secundários irão diminuir, tenho vontade de atirar a medicação para o lixo e voltar a ser eu

 

Posso voltar para a cama até que seja dia da consulta?

 

original.jpg

 

Mecanismos de defesa

Este mês, a nível de trabalho, não está a ser fácil

 

Regresso das férias, tudo a cair em cima de mim, uma aparente simpatia do patrão que acabou por se tornar em mais trabalho em cima, problema de saúde que resultou na toma continuada de uma medicação que dá cabo de mim (consulta já marcada para ver isso). Tem sido um mês que me está a esgotar a paciência e as forças. A minha genuína vontade tem sido acordar e dirigir-me ao Centro de Saúde e implorar por uma baixa médica. Porém, tenho resistido a isso. Tenho tentado encontrar mecanismos de defesa para o stress, o cansaço e, principalmente, a desmotivação

 

A procura por novo emprego tornou-se regular. Estipulei um dia por semana para enviar os cvs, enquanto que passo os restantes dias a "ir vendo", evitando que esteja constantemente a enviar currículos de forma não pensada

 

Tenho mantido as idas às aulas no ginásio e, por incrível que seja, tenho conseguido manter uma alimentação minimamente saudável. Devido à medicação (e ao cansaço do trabalho), ainda não consegui acertar no número de horas que tenho precisado dormir, mas ultrapassam as 8h

 

Os livros, infelizmente, têm ficado um pouco de lado. Neste momento, exigem uma concentração que não consigo ter. Há dias em que lá consigo ler meia dúzia de páginas. Outros, em que não passo de meia dúzia de palavras. Se nos primeiros dias ficava frustradíssima com isso, agora consegui perceber que está relacionado com a medicação (a minha concentração no trabalho também tem sido seriamente prejudicada). No entanto, (re)descobrir a pintura. Melhor dizendo, encontrei um caderno com mandalas para pintar e tenho conseguido dedicar-me alguns minutinhos por dia a isso. Consigo desligar completamente o cérebro e não fico a matutar nas coisas que não consegui fazer

 

Gostava que a minha concentração melhorasse um pouco nos próximos dias. Preciso dela no próximo fim-de-semana. Mas, até lá, vou continuar a treinar a minha paciência comigo própria

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D