Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tu tens a mania

Tu tens a mania

Richard Zimler

Sempre foi um escritor que ouvia falar durante anos, mas não conhecia. Via o seu livro O Último Cabalista de Lisboa nas estantes das livrarias e nunca tive a curiosidade de lhe pegar e conhecer o porquê do burburinho. Mas um dia isso mudou. Foi há pouco mais de um ano que vi O último Cabalista a venda, com uma capa diferente do que era habitual, e com 50% de desconto. Foi aí que peguei, pela primeira vez, num livro dele. Escusado dizer que ele veio comigo para casa. Ainda resisti um pouco a lê-lo. Tinha alguns livros ainda para ler e fui sempre adiando até que, no início do corrente ano me decidi, a lê-lo. No início tive alguma dificuldade em ler. Era uma escrita um pouco diferente do que estava habituada, bem como o tipo de história divergia do que lia: não gosto de livros com alguma relação à religião (excepto alguns romances de um certo escritor que apresenta as notícias no canal público) . Não é que o livro seja sobre religião per se. A história gira em torno um jovem judeu que sobrevive ao Massacre de Lisboa de 1506 e que tenta descobrir quem matou o seu tio. Deixei o livro de lado durante algum tempo por causa da descrição das atrocidades que as pessoas fizeram aos judeus. Mas, eventualmente, superei o meu desconforto e acabei por devorar o livro.

 

Quando gosto imenso de um livro, tenho sempre receio de ler um outro livro do autor. Tenho sempre medo de criar expectativas em relação ao autor e, depois, me desiludir (daí ainda ter Os Anagramas de Varsóvia na estante à minha espera). No entanto, o que mais conquistou em Richard Zimler foi a sua maneira de ser. Tive o prazer de o "conhecer" na Viagem Literária, em Coimbra. Para além da fantástica forma de falar, achei-o extraordinário: simples, humilde, com um conhecimento invejável. E, a partir daí, fui pesquisando por entrevistas que ele tenha dado. Aquela que mais adoro é, sem dúvida The Man I Love, do Público, dada em 2012 juntamente com Alexandre Quintanilha. Falam de como se conheceram, de homossexualidade, SIDA e da mudança dos EUA para Portugal. Foi das entrevistas mais apelativas que alguma vez tinha lido e é a única que se encontra guardada nos Favoritos do meu browser

 

88356.jpg

 Autoria: Nelson Garrido

Ontem, o Jornal I publicou uma entrevista com Richard Zimler acerca do seu novo livro (O Evangelho Segundo Lázaro). Começam po falar no livro, mas a conversa chega, eventualmente, à relação com Alexandre Quintanilha. Foi aqui que li um dos melhores conselhos acerca de relacionamentos. Eu sempre adoptei essa posição, mas as coisas nunca correram muito bem para o meu lado. E ver alguém que admiro e que se encontra numa relação há quase 40 anos a dizer o mesmo, serve para me aperceber que, afinal, não estava assim tão enganada.

 

"É preciso aprender a amar?

Sim. Isso aprendi com a minha mãe, apesar de todas as dificuldades que tinha com ela. Podíamos ter uma discussão terrível e ela pegava na minha mãe e dizia: “Podemos voltar ao início porque isto não correu bem?”. E eu confiava na mão dela. Foi a minha mãe que me ensinou que, por vezes, basta dar um beijinho ou pegar na mão. Nunca me deito zangado com o Alexandre, não sou capaz. Isto foi o Alexandre que teve de aprender comigo. Ele não confessava que estava chateado, durante dias, semanas, e depois explodia. Isso não dá. Antes de irmos para a cama, se temos algo para falar, eu digo: “Sei que estás cansado, mas temos de falar, são dez minutos.” E resulta."

 

Acho terrível que as pessoas achem que as coisas passam com o tempo. A única coisa que passa com o tempo é a mágoa (e há delas que nunca desaparecem), e a vontade de mudar. Estive 5 anos numa relação em que a outra parte dizia, constantemente, que estava tudo bem e, passado algum tempo, explodia. Se resolvia alguma coisa? Nada, só piorava. Chegou a um ponto que nem valia a pena perguntar o que se passava e as coisas começaram a acumular-se. Quantoas relações não terão passado pelos menos, e quantos se mantém assim, degradando ambas as partes?

 

Não falar não é solução. Pelo contrário, é mais um pedaço de madeira para manter o fogo activo. Portanto, vamos falar???

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D