Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tu tens a mania

Tu tens a mania

A Sociedade e a Criatividade

Há muito tempo que vivo com uma cabeça com demasiada imaginação, mas nunca soube o que fazer com ela. Durante os tempos de escola, só praticava a componente técnica de desenho, raramente tínhamos a oportunidade de dar asas à imaginação. Em Português, estudávamos verbos, preposições e funções sintáticas como se fossem a coisa mais importante do mundo. Treinar a interpretação de texto e a escrita criativa é que não.

Fui conseguindo viver nesta ignorância criativa até precisar de escrever a dissertação. E, se quando comecei a escreve-la  achava que não seria necessário qualquer tipo de criatividade, ao fim de vários dias a olhar para as palavras e não saber o que fazer com elas, me apercebi da falta que faz uma educação correcta em Português (essencialmente). E, ao fim de alguns dias, fiquei a saber que esta opinião é partilhada por muita gente, professores incluídos.

Vivemos numa sociedade centrada em empregos passados atrás de uma secretária, com a cabeça baixa, as costas encurvadas e a disponibilidade de trabalhar para além das 8 horas diárias (e ai se nos atrevemos a não fazer mais do que essas 8 horas..). Quando se ouve alguém dizer que quer ser pintor, escritor, dançarino ou actor, o primeiro comentário que se ouve é "contínua a estudar, que só assim é que consegues um emprego decente". Ou então que a pessoa é preguiçosa e não quer trabalhar a sério. Ou então que vive numa ilusão (ganhas o jackpot se ouvires os três comentário de seguida, vindos da mesma pessoa).

Tentamos matar a criatividade desde crianças, ao enche-las de trabalhos de casa e de actividades extra-curriculares ligadas ao desporto e à aprendizagem de línguas (que também são coisas importantes, mas, nos tempos que correm, têm sido em exagero), de modo a cansa-los para que não os tenhamos de aturar durante a noite. Impedimos-los de brincar, porque fazem muito barulho ou porque se sujam. Ou então, sinal dos tempos modernos, damos-lhes telemóveis ou tablets para que fiquem caladinhos.

Estamos a criar zombies que, com o avançar da idade, se tornarão depressivos, incapazes de se adaptarem às adversidades e incapazes de apreciarem as coisas mais simples, como um sorriso ou um abraço., por exemplo.

Vivemos numa sociedade que anda a matar a criatividade e nós assistimos a isto, impávidos e serenos, como se fosse a coisa mais natural. 

 Alike, Daniel Martínez Lara e Rafa Cano Méndez

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D